Mas, onde fica a viagem?

Autori

  • Raúl Antelo UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

DOI:

https://doi.org/10.6092/issn.2036-0967/3079

Parole chiave:

viagem, tropo, gênero, identidade

Abstract

O relato de viagem é infinito, assim como a metáfora é infinita. Não apenas a linguagem, mas toda a vida intelectual repousa num jogo de transposições, que bem se pode qualificar de metáfora – dizia, pioneiramente, Michel Leiris. O artigo explora essa virtualidade em autores como Michaux, Borges, Clarice Lispector.

Pubblicato

2012-05-25

Come citare

Antelo, R. (2012). Mas, onde fica a viagem?. Confluenze. Rivista Di Studi Iberoamericani, 4(1), 1-14. https://doi.org/10.6092/issn.2036-0967/3079